sexta-feira, 25 de novembro de 2011

HISTÓRIA DE UM EX-HUMANO


HISTÓRIA DE UM EX-HUMANO
                Olá. Meu número é 334455789 e minha série de produção é ÚNICA. Mas, um dia, eu fui conhecido por João, se eu bem me lembro esse era o meu nome. Quando criança minha chamava-me carinhosamente de Joãozinho, mas isso foi há muito tempo atrás, há quase 200 anos. Mas, vamos ao que interessa. Hoje vim aqui para contar a minha história, o que lembro dessa vida, cuja morte parecia-me nunca ia chegar. Decidi fazê-lo agora, pois minha memória começa a falhar, dizem que estou perto de morrer, que idéia, irei no máximo para o depósito.
                Eu nasci humano. De parto normal, inclusive. Tive uma mãe, um pai e dois irmãos. Minha família era unida, mas eu logo cresci e percebi que o mundo não se parecia em nada com a minha casa e que para que sobreviver nele eu precisava mudar, eu precisava ser diferente, eu precisava me tornar uma máquina, uma máquina de produção, entendam bem, esse era o plano, nunca pensei realmente, que me tornaria uma máquina por completo.
                A propaganda me soava muito bem: “Seja melhor que os outros e ganhe mais prestígio”, “Você precisa ser mais competitivo se quer chegar mais longe”, “Você precisa trabalhar mais se quer ter um carro igual ao do seu vizinho”. Pensando assim e crendo cegamente que estava no caminho do sucesso eu acreditei, fechei os olhos e segui em frente.
                O primeiro passo que dei foi entrar na faculdade, porque no meu país ninguém é alguém se não tiver um canudo e lá dentro, além de aprender todas as técnicas da minha profissão, eu aprendi, sem nenhum professor ensinar, a ser competitivo. Pois não importava se eu excedesse a mim mesmo, se eu não fosse o melhor ou pelo menos um dos melhores em um grupo. É claro que houve pessoas que tentaram me tirar desse caminho de sucesso, alguns professores nos tentavam fazer pensar e refletir, não sabiam eles que isso não traz dinheiro nem prestígio, soubessem eles que pelas costas nós os chamávamos de loucos, e o quanto julgávamos toda aquela baboseira uma perda de tempo. Mas, o tempo, ah, o tempo, provou que a ideologia deles era tão forte que hoje penso que para eles éramos apenas uma manada de jovens sem salvação.
                Eu me tornei uma grande máquina, digo, um grande homem. Na minha profissão, eu me destacava, meus colegas brindavam o meu sucesso. Eu me sentia no topo do mundo. Até que um dia, por volta dos meus 40 anos, eu acordei para um corpo que não era o meu. Todo revestido de metal, com um visão e audição perfeitas, meu pensamento imediato foi “Agora, além de tudo, sou um super-herói”. Logo percebi, que não, aquela era a carapaça que refletia o meu interior, meu coração que há muito não servia para sentir apenas para me manter vivo tornou-se apenas uma bomba e meu cérebro, deserto de idéias e pensamento próprios, só me servia a partir de então para o que eu sempre o havia utilizado: resolver problemas. Na época não dei muita importância. Vejam bem, eu era assim, não me importava se eu já era incapaz de sentir ou pensar porque eu nunca havia me importado com isso antes e desde que todo aquele metal não incomodasse aos outros, por mim estava tudo bem.
                Mas, uma surpresa ao sair de casa: muitas “pessoas” na rua eram máquinas, havia se transformado como eu, e nos dias que se seguiram muitas outras também sofreram essa transformação, era como uma epidemia. E foi maravilhoso, porque, novamente eu era igual a todo mundo, por dentro e por fora.
                Nós vivemos felizes assim por muito tempo. Algumas pessoas, estranhamente, nunca sofreram essa transformação, mas elas sempre foram consideradas diferentes mesmo, nunca realmente se entregaram ao trabalho, como nós, agora máquinas, fazíamos, e nos orgulhávamos disso. Porém, não mais.
                Agora, no fim do meu prazo de validade eu vejo o quanto sinto falta do contato da pele de outra pessoa, pois eu me esqueci de explicar no início porque minha série é ÚNICA: eu e todos os outros daquela época nos TRANSFORMAMOS, hoje ninguém mais se transforma, pois ninguém nasce mais humano para se transformar (ou não), todos os modelos novos são de fabricação em série.
                Eu lembro quando começamos a perder a capacidade de nos comunicar e tudo que tínhamos para dizer um ao outro, era feito através de mensagens, e-mails, recados cibernéticos, ninguém mais pegava na mão de ninguém para consolar. Recordo quando abraçar era como dizer mil palavras com significado infinito.
                Mas, sentir, eu já nem sei. Tudo isso que me fazia humano, eu nunca entendi. Nunca parei, olhei para dentro e tentei entender quem eu era – um ser singular com milhões de possibilidades. Eu podia ser o que eu quisesse, seguir o caminho que eu desejasse, mas traçar seu próprio caminho e orgulhar-se, mesmo com medo, foi uma tarefa dos heróis que morreram sem nunca se transformar. Por que nunca escutei suas palavras¿ Era demais me despir por um segundo sequer da minha certeza cega e olhar através da lente de outrem¿ É que nesse mundo em que eu vivo qualquer coisa direita é demais.
                Se eu hoje, neste meu último dia de validade, eu pudesse escolher um último desejo, seria falar com um humano, tocar sua pele e lhe perguntar: é preciso ter coração para sentir¿ Ou o sentimento é uma emoção que é transformada pelo cérebro em pensamento¿ Ou o sentimento é um pensamento transformada no coração em emoção¿ Ou, será que sentir é algo tão celestial que impossível de entender e por isso é preciso ser humano para vivenciar isto¿ O que é preciso para sentir¿
Sarah Regina

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Acolhimento

Aula inaugural do internato!


Apresentações:


10º período - Recepção 1
                     Aula inaugural
                     Apresentação - Avaliação

domingo, 20 de novembro de 2011

Bem-vindos!!!

Bem-vindos ao blog do Internato em Pediatria!
Aqui vocês encontrarão notícias, artigos científicos, protocolos, além de muitas outras informações sobre o Internato em Pediatria na UFRN. 
Compartilharemos conhecimentos e ideias sobre o universo da pediatria.

Seja bem-vindo!!!


MISSÃO
nAssegurar o direito à assistência diferenciada, humanizada e de qualidade à clientela infanto-juvenil usuária do sistema público de saúde, integrada ao ensino e a pesquisa em saúde da criança e do adolescente.

VISÃO ESTRATÉGICA
nExercer plenamente as funções acadêmicas - ensino, pesquisa e extensão – num contexto assistencial diferenciado e de qualidade, garantindo a referência especializada em saúde, da criança usuária do sistema público de saúde.